Aleks Palitot participa do Dia do Ferroviário

Solenidade contou com a presença do Governador do Estado Daniel Pereira que se comprometeu com a conservação da EFMM

Uma solenidade realizada na manhã de sábado (28), na Estrada de Ferro Madeira Mamoré marcou as festividades de comemoração do Dia do Ferroviário em Porto Velho. Promovido pela Associação dos Ferroviários da Estrada de Ferro Madeira Mamoré (Asfemm) com o apoio do Professor Aleks Palitot, o evento reuniu mais de 50 convidados, entre eles o Governador Daniel Pereira.

Proponente do projeto que oficializou a data, o Professor Aleks Palitot lembra que Porto Velho surge das margens do Rio Madeira e das linhas férreas da Madeira Mamoré. Os personagens homenageados viveram este passado, estão no presente e é necessário registrar este legado para o futuro, para que outras gerações saibam da importância desses homens e mulheres.

Segundo o vereador, em nosso município há data para tudo, porém, ironicamente após 100 anos da construção da EFMM e de Porto Velho ter uma Câmara de Vereadores não havia ainda uma lei que contemplasse os ferroviários e a ferrovia que deu origem a cidade.

“Fomos procurados pela associação para que elaborássemos esse projeto de lei de iniciativa popular. Trata-se de um empoderamento da população que nos levou uma boa ideia em lembrança e memória de ferroviários do passado e do presente”, conta Palitot.

Uma lei que contempla homens como seu Bispo, seu Lord, seu Moisés e homens do passado como Dionísio Shockness e Heráclito Rodrigues, entre outros que deram o sangue pela construção dessa ferrovia. O ferroviário não é apenas o condutor, são todos os profissionais que de forma direta ou indireta estão envolvidos neste monumento que deu origem a nossa cidade”, destaca o historiador.

A lei vem como justa homenagens a estes destemidos pioneiros que ainda hoje estão aqui no pátio ferroviário e sonhando com esta locomotiva funcionando para fins turísticos. Lembrou Palitot.

Para o Governador Daniel Pereira, “a homenagem é mais que justa aqueles que vieram de mais de 50 países arriscando a própria vida para colaborar com a construção de um sonho visto como impossível à época e por isso merecida”, afirmou.

Durante o seu discurso Daniel Pereira falou ainda da importância de se valorizar o patrimônio, até para que aqueles que nos visitam possam conhecer um pouco de nossa história. Ações simples de limpeza, manutenção e conservação serão realizadas no percurso da estação até a Igrejinha de Santo Antônio e a restauração do Cemitério da Candelária são compromissos assumidos por sua gestão.